Home > DOCES E SALGADOS > Em 2019, transações correntes tiveram rombo de US$ 50,8 bilhões

DOCES E SALGADOS

27/01/2020 09:48 por Redação

Em 2019, transações correntes tiveram rombo de US$ 50,8 bilhões

Déficit em 12 meses chegou a 2,76% do PIB; reservas internacionais atingiram US$ 356,9 bilhões, uma queda de US$ 17,8 bi

Em dezembro de 2019, o déficit em transações correntes totalizou US$ 5,7 bilhões, abaixo do déficit de US$ 6,1 bilhões verificado no mesmo mês de 2018. A variação decorreu de redução de US$ 2,0 bilhões em despesas líquidas de renda primária, parcialmente compensadas pela retração de US$ 1,2 bilhão no saldo da balança comercial.

Em 2019, o déficit em transações correntes somou US$ 50,8 bilhões (2,76% do PIB), superior ao déficit do ano anterior, US$ 41,5 bilhões (2,20% do PIB).

Repetro - As exportações de bens totalizaram US$ 18,2 bilhões em dezembro/19, recuo de 6,0% em relação ao mesmo período de 2018. Na mesma base de comparação, as importações de bens aumentaram 0,3%, para US$ 13,4 bilhões. No mês, não houve operações relativas ao Repetro. Na comparação com o ano anterior, o superávit comercial reduziu de US$ 53,0 bilhões para US$ 39,4 bilhões em 2019, repercutindo retrações de 6,3% nas exportações e de 0,8% nas importações. No ano, as importações líquidas no âmbito do Repetro foram estimadas em US$ 1,6 bilhão.}

Serviços - O déficit na conta de serviços atingiu US$ 3,5 bilhões no mês, 2,7% superior ao resultado de dezembro de 2018, US$ 3,4 bilhões.

Em 2019, o déficit em serviços situou-se em US$ 35,1 bilhões, 1,7% inferior ao déficit de US$ 35,7 bilhões registrado em 2018, com redução nas despesas líquidas de aluguel de equipamentos (US$ 1,3 bilhão; 8,2%) e de viagens (US$ 664 milhões; 5,4%). Por outro lado, observou-se aumento nas despesas líquidas de telecomunicações, computação e informações (US$ 802 milhões; 36,9%) e de serviços de propriedade intelectual (US$ 405 milhões; 9,4%). 

Renda primária - Em dezembro, o déficit em renda primária reduziu 23,2% na comparação com dezembro de 2018, somando US$ 6,7 bilhões. Os gastos líquidos com juros somaram US$ 3,2 bilhões no mês, aumento de 20,3% na comparação interanual, com redução de receitas e expansão de despesas. As despesas líquidas de lucros e dividendos somaram US$ 3,5 bilhões, retração de 42,4% ante dezembro de 2018, com aumento de receita e recuo de despesas.

No ano, o déficit em renda primária recuou 4,8%, para US$ 56,0 bilhões, resultado do aumento de 11,2% das despesas líquidas de juros, para US$ 25,1 bilhões, em oposição à redução de 14,8% do déficit em lucros e dividendos, para US$31,1 bilhões.

Investimentos - Os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$ 9,4 bilhões no mês, composto por ingressos líquidos de US$ 1,6 bilhão em participação no capital e de US$ 7,8 bilhões em operações intercompanhia.

Em 2019, os ingressos líquidos de IDP somaram US$ 78,6 bilhões, correspondendo a 4,27% do PIB, patamar próximo aos US$ 78,2 bilhões registrados no ano de 2018, equivalente a 4,15% do PIB. }

Em dezembro, houve saídas líquidas de US$ 4,6 bilhões em instrumentos de portfólio negociados no mercado doméstico, com saídas líquidas de US$ 1,1 bilhão em ações e fundos de investimento, e de US$ 3,5 bilhões em títulos de dívida. No ano, ocorreram saídas líquidas de US$ 7,6 bilhões em instrumentos negociados no mercado doméstico, compostas por saídas líquidas de US$ 3,6 bilhões em ações e fundos de investimento, e de US$ 4,0 bilhões em títulos de dívida. 

Reservas internacionais

O estoque de reservas internacionais atingiu US$ 356,9 bilhões em dezembro de 2019. A redução de US$ 9,5 bilhões nesse estoque, relativamente à posição de novembro, decorreu principalmente da liquidação de US$ 9,6 bilhões de vendas no mercado à vista e da concessão de US$ 1,8 bilhão em operações de linha com recompra. As variações por paridades e por preços contribuíram para elevar o estoque de reservas em US$ 1,1 bilhão, enquanto a receita de juros adicionou US$ 589 milhões ao estoque.

No ano, houve redução de US$ 17,8 bilhões no estoque de reservas internacionais, em função das vendas no mercado à vista, US$ 36,9 bilhões. Os principais fatores que atuaram em sentido contrário, contribuindo para a elevação das reservas, foram as receitas com juros, US$ 7,5 bilhões; as variações por preço, US$ 9,1 bilhões; e o retorno líquido de linhas com recompra, US$ 2,3 bilhões.

Acesse a Nota do Setor Externo do BC aqui.

Leia mais: Brasileiros gastaram 17,6 bilhões de dólares no exterior em 2019.

'
Enviando