Home > DOCES E SALGADOS > Países do G7 estão perto de acordo para combater incêndios na Amazônia

DOCES E SALGADOS

26/08/2019 07:24 por Redação

Países do G7 estão perto de acordo para combater incêndios na Amazônia

Anfitrião da cúpula, Macron reconheceu que há opiniões diferentes sobre ajuda para o reflorestamento

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse neste domingo (25) que os líderes dos principais países industrializados do mundo estão próximos de um acordo sobre como ajudar a combater os incêndios na floresta amazônica e tentar reparar a devastação.

Ele disse a repórteres que os países do G7 - Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Itália, Reino Unido e Canadá - estão finalizando um possível acordo sobre “ajuda técnica e financeira”.

A 45ª Cúpula do G& começou no sábado (24) e termina hoje (26), em Biarritz, balneário localizado no sudoeste da França.

Macron colocou os incêndios na Amazônia no topo da agenda da cúpula, depois de declará-los uma emergência global, e iniciou discussões sobre o desastre em um jantar de boas-vindas para os colegas, no sábado.

Uma autoridade da UE, que não quis ser identificada, disse à Reuters que os líderes do G7 concordaram em fazer todo o possível para ajudar a combater os incêndios, dando a Macron um mandato para entrar em contato com todos os países da região amazônica e ver o que é necessário. “Foi a parte mais fácil das negociações”, disse a autoridade.

Macron disse no domingo que as potências mundiais precisam estar prontas para ajudar no reflorestamento, mas reconheceu que há opiniões diferentes sobre esse aspecto, sem entrar em detalhes. “Existem várias sensibilidades que foram levantadas em torno da mesa, porque tudo isso também depende dos países amazônicos”, disse ele, acrescentando que a maior floresta tropical do mundo é vital para o futuro do planeta.

Um número recorde de incêndios está devastando a floresta amazônica, muitos deles no Brasil, atraindo preocupação internacional devido à importância da Amazônia para o meio ambiente global. Na semana passada, Macron acusou o governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro de não fazer o suficiente para proteger a área e de mentir sobre seus compromissos ambientais.

Leia mais:

Em 50 anos, Amazônia perdeu uma área equivalente ao território da Turquia
“Amazônia tem que ser protegida”, diz secretário-geral da ONU
Para Bolsonaro, Macron usa Amazônia para "ganhos políticos pessoais"
Bolsonaro muda tom sobre queimadas e aponta para fazendeiros, ONGs e índios
Incêndios florestais preocupam presidente da Assembleia Geral da ONU

'
Enviando